ESTUDE A PALAVRA DE DEUS AGORA!

ESTUDE A PALAVRA DE DEUS AGORA!
Cursos e Estudos Bíblicos Gratuítos

Ouça Temas Bíblicos Agora:

Reportagem denuncia pedofilia no universo virtual 'Second Life'

Usuários do site Second Life estão sendo investigados pela polícia da Alemanha, depois que o canal de televisão SWR levou ao ar uma reportagem denunciando a ação de pedófilos no mundo virtual.
A última edição do programa "Report Mainz" exibiu cenas tiradas do site Second Life, em que a imagem computadorizada de uma criança é abordada por um pedófilo em um parque, recebe o equivalente a dois euros e então é levada a um quarto, onde é abusada sexualmente. A empresa Linden Lab, criadora do Second Life, afirmou que vai colaborar na identificação dos usuários envolvidos no abuso virtual para que possam ser levados à Justiça. O Second Life (Segunda Vida, em inglês) é um mundo virtual em que os usuários criam figuras (ou avatares) para viver uma vida virtual. Atualmente, o mundo virtual conta com mais de 6 milhões de habitantes, um número que cresce diariamente.
Pedofilia real A investigação da TV alemã foi conduzida pelo repórter Nick Schader, que tem um personagem no Second Life. Com os contatos feitos no site, Schader recebeu ofertas de pornografia infantil real. Um usuário chegou a lhe enviar fotos reais de crianças sendo abusadas. Em outra cena chocante denunciada pelo programa, um grupo de usuários do Second Life assiste a seguidos estupros de uma menina virtual de 13 anos. Todas as informações obtidas pela reportagem do "Report Mainz" foram entregues à promotoria alemã contra a pedofilia. O promotor Peter Vogt afirmou que deve identificar e processar os envolvidos. "Podemos contar com um processo criminal por oferta de pornografia de terceiros, que pode levar a penas de de três meses a cinco anos de prisão", disse Vogt. Entrevistada para o programa, a empresa responsável pelo site admitiu que já houve "alguns casos" de crimes sexuais nos últimos anos e que usuários foram banidos do site em decorrência.

FBI detecta um milhão de computadores 'zumbis' nos EUA

O FBI (a polícia federal dos Estados Unidos) está entrando em contato com mais de um milhão de donos de computadores que tiveram seus computadores invadidos por criminosos.
A iniciativa é parte de uma investigação que já detectou mais de um milhão de vítimas que tiveram seus computadores usados por criminosos nas chamadas botnets. Botnets são redes formadas por diversos computadores com um programa chamado bot (ou "zumbi"), projetado para procurar informações pela internet com pouca intervenção humana. Estes computadores ligados a redes botnet podem estar sendo usados - sem o conhecimento de seus donos - para atividades como envio de spam ou esquemas de fraudes. O FBI descobriu redes destes computadores "zumbis" sendo usadas para espalhar spam, roubar identidades e atacar páginas na internet. A agência está trabalhando com vários parceiros da indústria de tecnologia americana para avisar os donos destes computadores e, por este processo, o FBI afirma que poderá "descobrir mais incidentes nos quais botnets foram usados para facilitar outras atividades criminais". Segundo a agência, estas redes de bots ou "zumbis" são "uma crescente ameaça à segurança nacional, à infra-estrutura nacional de informação e à economia". Hábitos de segurança Segundo o diretor-assistente da Divisão Cibernética do FBI, James Finch, "a maioria das vítimas não sabe que seus computadores forem comprometidos ou sua informação pessoal está sendo explorada". "Um criminoso assume o controle infectando o computador com um vírus ou outros códigos maliciosos e o computador continua operando normalmente. Cidadãos podem se proteger de botnets e esquemas associados com hábitos fortes de segurança para reduzir o risco de comprometimento de seu computador", disse. Muitas pessoas acabam vítimas destas práticas abrindo um arquivo anexado em um e-mail, que contenha um vírus. Ou até mesmo visitando uma página na internet com armadilhas. Os responsáveis por estas redes de botnets (chamados "botherders", ou pastores de bots, em tradução livre) podem comandar dezenas de milhares de computadores infectados. Acusados A operação do FBI - que foi batizada de Bot Roast - conseguiu acusar três pessoas. Robert Alan Soloway, de Seattle, poderá ser condenado a 65 anos de prisão se for considerado culpado da acusação de usar uma grande rede de computadores zumbis e ter enviado milhões de e-mails não solicitados e de spam para fazer propaganda de seu site na internet. James Brewer, de Arlington, no Texas, foi acusado de ter operado uma rede botnet que infectou computadores de hospitais da área de Chicago. Esta rede de botnet, por sua vez, infectou dezenas de milhares de computadores no mundo todo. Jason Michael Downey, de Covington Kentucky, é acusado de usar botnets para enviar um alto volume de tráfego para alguns recipientes online, visando causar dano e diminuir a disponibilidade de alguns sistemas. (Fonte: BBCBrasil)

Solidão leva crianças britânicas à internet, diz estudo

Uma pesquisa entre mais de 2 mil crianças britânicas revelou que 60% delas utilizam sites de bate-papo na internet para combater a solidão e 53% para compartilhar seus problemas. O estudo, realizado pela organização britânica de proteção à criança National Society for the Prevention of Cruelty to Children (NSPCC), constatou também que 50,4% dessas crianças já viveram experiências desagradáveis na rede, incluindo intimidação, ameaças ou assédio sexual. Ao todo 2.053 crianças, a maioria com idades entre 11 e 16 anos, participaram da pesquisa. Do total, 1.187 eram meninos e 866, meninas. Mais da metade dos jovens, um total de 1.071, disseram que visitam sites de bate-papo ao menos uma vez por dia. Razões Quando perguntados sobre as razões pelas quais visitam os sites, cerca de 90% dos participantes responderam que usam a internet para fazer amigos e 80% para fazer contato com pessoas conhecidas. Mais de 60% usam a rede para encontrar pessoas parecidas com elas e "receber conselhos de pessoas da mesma idade". Cerca de 55% usam a internet para saber que não estão sozinhas. Ajudar um amigo em situação difícil ou buscar apoio quando em uma situação difícil também foram respostas comuns. A NSPCC manifestou preocupação com a popularidade de sites como Bebo ou MySpace, visitados diariamente por 52% dos entrevistados. A pesquisa é parte de uma campanha da entidade para encorajar as crianças a denunciar abusos sofridos em sites de bate-papo. Dados Pessoais "Crianças sofrem ameaças reais na internet, como abordagens sexuais, intimidação, exposição a imagens violentas, pornografia e outros materiais inapropriados", disse Mary Marsh, diretora da NSPCC. "Interação social na internet é parte das vidas de milhões de crianças", acrescentou. "Temos de reconhecer e responder a esta realidade ajudando-as a usar a internet de forma mais segura e, ao mesmo tempo, a denunciar abusos" Estudos anteriores revelam que uma em cada três crianças que utilizam a internet já recebeu comentários sexuais indesejados pela rede ou por torpedo. Quase a metade (46%) já deu dados pessoais, incluindo fotografias e número do telefone, a alguém que conheceu na internet. Meninas que ligaram para o telefone da NSPCC dedicado à criança disseram que marcaram encontros com meninos que conheceram em sites de bate-papo, mas ao conhecê-los descobriram que eram, na verdade, homens mais velhos procurando por sexo. A NSPCC aconselha crianças a nunca revelar seus dados pessoais na internet, nem mesmo seu nome verdadeiro. (Fonte: BBCBrasil)

O advento da TV digital no Brasil

Emissoras se preparam para TV digital; público tem dúvida:
Imagem em alta definição, som surround, mobilidade, portabilidade, interatividade. As qualidades tão aclamadas da TV digital prometem revolucionar a televisão aberta brasileira. O modelo, que estréia no domingo, dia 2, em São Paulo, com pronunciamento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, deve proporcionar mais impacto do que a troca do televisor preto-e-branco pelo colorido. O telespectador, no entanto, tem mais dúvidas que empolgação diante da novidade. Afinal, como vai funcionar a TV digital? Basicamente, a diferença está na forma de transmissão da programação, que hoje é analógica e, com a mudança, passa a ser digital. Para desfrutar da tecnologia, bastará adquirir um televisor com o receptor embutido ou ligar um conversor chamado set-top box ao aparelho e à antena UHF que já estão em casa. Apesar de simples, a 'conversão' para o mundo da TV digital é cara: os televisores modernos custam, no mínimo, R$ 8 mil, e o conversor não sai por menos de R$ 500. Quem não quiser ou não puder colocar a mão no bolso continuará recebendo o sinal analógico nos próximos dez anos - prazo máximo para o fim da transmissão pelo modelo atual. "O telespectador com conversor ou com televisor digital recebe a imagem com qualidade máxima ou não recebe", afirma José Chaves, diretor de Engenharia da TV Cultura. As vantagens, porém, chamam atenção. O novo sistema promete imagem nítida (ou seja, adeus a chuviscos e fantasmas) e som igual ao das salas de cinema. Também será possível assistir à programação por celular e outros aparelhos portáteis e interagir com o programa preferido - os dois últimos recursos, contudo, não entram em cena agora. Os televisores de plasma ou LCD que ganharem o set-top box ainda terão imagens em alta definição.
Emissoras:
As principais emissoras do País (Globo, Record, SBT, Band e Cultura) investem pesado na novidade. As redes compraram equipamentos e treinaram funcionários para recepcionar e distribuir o sistema. Figurinistas, cenógrafos, maquiadores e demais profissionais que atuam nos bastidores tiveram de 'reaprender' a trabalhar. Afinal, será preciso tomar cuidado com os detalhes por conta da qualidade de captação e de transmissão que chegará às TVs digitais a partir do dia 2/12/2007. "A alta definição exige soluções específicas em setores técnicos, como vídeo, áudio, iluminação, fotografia, e também em outras áreas, como cenografia, maquiagem e figurino. Isso porque a maior resolução faz com que os detalhes fiquem seis vezes mais perceptíveis. Os maiores impactos dessa transição ocorrem na construção e nos acabamentos de cenários e na maquiagem", diz Raymundo Barros, diretor de Engenharia da Globo. Alguns exemplos: Duas Caras, da Globo, e Dance, Dance, Dance, da Band, são produzidas em alta definição. A marca de um dedo no vidro do porta-retratos da mansão de Branca (Suzana Vieira), personagem de Duas Caras, poderá ser vista pelo telespectador. E uma possível acne no rosto de Sofia (Juliana Baroni) em Dance, Dance, Dance não poderá mais ser escondida com camadas de base sem que o público perceba que a pele está maquiada. Apesar da força-tarefa das empresas, a TV digital e a alta definição devem estrear para poucos por causa dos preços salgados dos conversores e dos aparelhos modernos. No domingo, os canais inauguram o sinal digital e uma pequena parte da programação em alta definição. A Globo testa o benefício com um novo quadro do Fantástico. A Band mostra o Programa Raul Gil, futebol e um especial com o cantor italiano Andrea Bocelli. Record e SBT entram na onda com os filmes da Tela Máxima e do Oito e Meia no Cinema, respectivamente. Na segunda-feira, os longas e as novelas Duas Caras e Dance, Dance, Dance poderão ser assistidos em alta definição. (Fonte: Jornal da Tarde)

Celular Cartão

Novo celular pode ser usado como cartão magnético:
A operadora de telefonia celular britânica O2, em parceria com a fabricante de celulares Nokia, lança nesta quarta-feira em Londres, o projeto de testes de uma nova tecnologia que agrega ao aparelho de telefone celular a função de cartão magnético. O equipamento usa a tecnologia sem cabos conhecida como Near Field Communication (comunicação de campo de curta distância), que combina os serviços de identificação por radiofreqüência (RFID, na sigla em inglês) com tecnologias de intercomunicação. A NFC, como é chamada em inglês, possibilita que equipamentos habilitados com a tecnologia façam troca de informações ao se “tocarem”, ou ficarem próximos a apenas quatro centímetros de distância. A tecnologia é compatível com outras similares, como o Bluetooth e a Wi-Fi. O novo aparelho, chamado de O2 Wallet®, será testado por 500 pessoas em Londres, durante seis meses. Neste período, os participantes poderão testar vários serviços como fazer compras, acessar o transporte público e entrar em eventos apenas com o uso do equipamento. Depois de seis meses, eles devem fazer uma avaliação sobre a facilidade de uso, segurança e funcionalidade do produto. Os serviços disponíveis no novo equipamento podem ser acessados através do menu principal do telefone e não interferem no recebimento de chamadas ou mensagens de texto. Projetos Para a fase de testes, as empresas criaram parcerias com o comércio local e com o sistema do transporte público de Londres para disponibilizar os serviços aos usuários. Segundo Cath Keers, diretora de atendimento ao cliente da O2, “os testes são o começo de um caminho que deve envolver operadoras de celular, bancos e o comércio em geral em uma visão comum”. As empresas parceiras no lançamento da nova tecnologia pretendem aprimorar a funcionalidade do aparelho depois dos testes e incluir, por exemplo, a capacidade de armazenar senhas para os pagamentos. A empresas também já discutem desenvolver outros projetos de teste em 2008. (Fonte; BBCBrasil)
NOTÍCIAS RELACIONADAS:

Dados de redes sociais podem 'assombrar' usuários, diz estudo

Informações postadas nesses sites podem prejudicar seus autores futuramente. Pesquisa realizada no Reino Unido indica que jovens não têm essa consciência:
As informações divulgadas por usuários de redes sociais -- sites como Orkut, MySpace e Facebook -- podem “assombrá-los” no futuro, segundo estudo realizado pelo Information Commissioner's Office (ICO), órgão que regula o uso de dados pessoais dos cidadãos britânicos. Segundo a pesquisa, o público jovem não percebe que os dados divulgados em sites de relacionamento podem continuar sendo atribuídos a eles num futuro remoto. Segundo o site do jornal britânico “The Guardian”, 60% dos jovens com idades entre 14 e 21 anos disseram não perceber que as informações postadas nas redes sociais poderiam ficar permanentemente ligadas a seus autores. Para o estudo, foram entrevistados 2 mil britânicos nessa faixa etária.Vinton Cerf, considerado o pai da internet, falou sobre essa questão em entrevista ao G1 em dezembro passado. "Os jovens são muito abertos à idéia de dividir suas informações on-line. Conforme eles forem ficando mais velhos, podem se arrepender de ter colocado algumas informações e seus pensamentos jovens na internet. E esses dados podem nunca mais desaparecer, mesmo se forem retirados dos sites originais”, disse o especialista. David Smith, do ICO, segue essa mesma linha de raciocínio. “Muitos jovens estão colocando dados on-line sem pensar nas pegadas eletrônicas que deixam. O preço a ser pago no futuro pode ser muito alto se algo indesejado for encontrado pelas instituições educacionais e empregadores, que cada vez mais usam a internet para checar os estudantes ou funcionários em potencial”, afirmou, segundo o “The Guardian”. Apesar disso, muitos jovens dizem querer preservar sua privacidade. Cerca de 70% dos entrevistados afirmaram não querer que seus futuros empregadores olhem os perfis criados por eles em sites de relacionamento.
Preocupação A pesquisa também mostra que 95% dos entrevistados se preocupam com o fato de seus dados serem divulgados para anunciantes ou outros sites. Entre os jovens, 54% disseram se preocupar “muito” com a maneira como suas informações poderiam ser usadas. “Isso mostra que, quando os jovens são alertados sobre o fato de seus dados poderem ser repassados, de maneira legítima ou inescrupulosa, eles se preocupam”, disse Smith, do ICO, segundo a BBC. “Temos de ajudar os adolescentes a ficarem mais atentos sobre todos os aspectos da era da internet, na qual eles vivem. A web pode ser divertida, mas não é tão segura quanto muitos acreditam”, continuou. (Fonte: G1)

Discovery Channel é acusado de explorar 'homem-árvore' indonésio

A ministra indonésia da Saúde acusou neste domingo o canal americano Discovery Channel de ter explorado a imagem de um camponês apelidado de "homem-árvore", em razão das verrugas gigantes que cobrem seu corpo como uma casca, informou a imprensa em Jacarta. "Eles utilizaram gratuitamente sua imagem, eles a comercializaram. Ele não recebeu nada (em troca)", denunciou Siti Fadillah Supari, citada pelo portal de informações Detikcom. Este mês, o canal de televisão divulgou um documentário sobre o "homem-árvore", vítima de uma patologia raríssima, que a ministra visitou neste domingo em um hospital no oeste de Java. Dede, de 32 anos, tem os membros e o rosto cobertos por tumores em forma de bolhas, e suas mãos sumiram completamente sob o que se parece com uma massa de corais de cerca de 30 cm de diâmetro. A ministra Supari anunciou que o governo indonésio colocará um advogado à disposição de Dede para defender seus direitos frente ao Discovery Channel. Esta semana, a imprensa indonésia informou que Jacarta se opunha a que Dede fosse tratado nos Estados Unidos, o que foi negado por Supari. "O governo indonésio não recebeu nenhum pedido para transportá-lo para os EUA. Isso é apenas boato", afirmou. Anthony Gaspari, dermatologista da Universidade de Maryland (EUA), examinou Dede e coletou amostras dos seus tecidos. "Vamos cooperar com o Dr. Anthony (Gaspari)", garantiu Supari. "Vamos cuidar dele (Dede) com os medicamentos que o médico prescrever". Dr. Gaspari acredita que este processo seja causado pela combinação de um papilomavírus humano (HPV) e de uma anomalia genética que impede o corpo de combater a infecção. (Fonte: Yahoo Notícias)
Nota do editor:
Não é de hoje que os meios de comunicação de massa violam os direitos básicos do ser humano e exploram a desgraça e a miséria de pessoas simples e sofredoras. (Jorge Schemes)

Sinal Digital

A Semp Toshiba anunciou ontem que colocará no mercado, no próximo dia 26, dois modelos dos conversores para o sinal digital, um de R$ 800 e outro, com entrada HDMI (próprio para televisores de alta definição), de R$ 1,1 mil. O primeiro lote dos produtos será importado de Taiwan, mas a empresa pretende iniciar a produção dos aparelhos no Brasil até março de 2008. Afonso Antônio Hennel, presidente da empresa, afirmou que a importação dos primeiros conversores que serão comercializados no Brasil foi necessária em virtude do atraso na definição do modelo que seria usado. Segundo o empresário, com o início da produção no Brasil, os preços podem cair. "Nosso setor é muito competitivo. É óbvio que as empresas vão disputar preços", disse. Mesmos com valores acima do que o governo esperava - o ministro das comunicações, Hélio Costa, chegou a estimar que custaria R$ 200 -, a Semp Toshiba pretende vender cerca de 300 mil unidades até o final do próximo ano. De acordo com Luis Freitas, diretor de vendas da empresa, o mercado de televisores de plasma e LCD já totaliza aproximadamente 1,5 milhão de unidades vendidas. "A expectativa é que esse público seja o primeiro a se interessar", disse Freitas. A empresa pretende manter a participação de 20% que tem no mercado de televisores nas vendas dos conversores. Hoje, cerca de 67% do preço dos conversores são impostos - 20% imposto de importação, 20% imposto sobre produto industrializado (IPI), 18% imposto de circulação de mercadoria e prestação de serviços (ICMS), que varia de cidade para cidade, e 9% de PIS/Cofins. Com a nacionalização da produção, a Semp Toshiba conseguirá reduzir o imposto de importação, já que só alguns componentes vêm de fora, e deixaria de pagar o IPI, uma das vantagens de se produzir em Manaus, no Amazonas. "Nós queremos ganhar escala de produção", disse Hennel. Segundo o empresário, a Semp Toshiba vai continuar trabalhando para lançar uma opção de conversor com preço mais acessível. O presidente da empresa espera conseguir chegar a base da pirâmide econômica. "O grande mercado vai ser a baixa renda", afirmou. "95% da população assiste televisão com sinal ruim. A idéia é mostrar a qualidade e chegar a essa base de consumo". Linha branca A Semp Toshiba também tem planos para construir uma fábrica de produtos da linha branca, mas estão um pouco atrasados, segundo o gerente de projetos. Daniele Cardani. A decisão, que sairia até o início de 2008, foi adiada um pouco. Cardani afirmou que a conversa tem evoluído com diversos governadores e o investimento planejado é de centenas de milhões de reais. (Wilson Gotardello Filho - Gazeta Mercantil)

TV brasileira chega à pequena tela do celular

Se controle remoto falasse, poderia muito bem reclamar de uma conspiração contra ele. Primeiro foi o YouTube - e o conceito de compartilhar vídeos na internet - que deixou a televisão um pouco de lado, com programação definida por internautas e audiência sob demanda (cada um assiste ao programa na hora que quiser). Pois agora a coisa piorou: a TV chegou de vez ao celular.

Tem gente no Brasil produzindo programas especificamente para a telinha. Os vídeos ainda são caros e têm curta duração, mas o empenho e a qualidade de produção mostram que, se o controle remoto bobear, pode pedir aposentadoria. Afinal, os aparelhos de TV passarão da sala de estar para o bolso dos telespectadores.

O exemplo mais recente de programa para TV portátil no País é também o mais robusto. A novela Diário de Sofia, que estreou na semana passada distribuída apenas pela rede celular, experimenta linguagens e tem roteiro baseado na interação com o público. Uma adolescente de 16 anos vive seus dramas de colégio e namoro em três episódios semanais. No fim de cada um, usuários de celular escolhem entre dois finais propostos, nos moldes de Você Decide, programa que a TV Globo exibiu entre 1992 e 2000.

Diário de Sofia é, na verdade, um "mobisode", união dos termos "mobile" (celular, em português) e "episode" (capítulo), neologismo criado nos Estados Unidos na divulgação da série 24 Minutos para celulares, inspirada no sucesso televisivo 24 Horas. Funciona assim: usuários se conectam à rede wap da operadora (TIM, Vivo, Claro e Oi) e então acessam o portal de vídeos. Às segundas, quartas e sextas-feiras, novos episódios da novela entram no ar, divididos em quatro vídeos com total de 2 a 3 minutos de duração. O download de cada parte, dependendo do plano e da operadora, custa de R$ 2 a R$ 4, mais o valor pago pelo tráfego de dados. Após baixado, o telespectador pode guardar o vídeo na memória do aparelho e assistir quando quiser.

Mas R$ 10 por um episódio de 2 minutos, quase o preço de um ingresso de cinema em São Paulo, não é caro demais? "Se compararmos com outras mídias, é realmente caro. Mas perto dos demais vídeos distribuídos via wap, como clipes e trailers de filmes, é barato", afirma o diretor-executivo da Aitec Brasil, Luis Ochôa, empresa que produziu a série em 12 dias de filmagens em São Paulo e licenciou a marca Diário de Sofia no País. Antes, a novela já havia sido exibida em Portugal, Estados Unidos, Chile, Canadá, Alemanha e uma série de outros países.

A intenção da novela é seduzir o mesmo número de fãs que conseguiu mundo afora. Para isso, aposta na oferta de conteúdo multiplataforma, com vídeos e um blog na internet http://www.diariodesofia.com.br, comunidade no Orkut, interação via celular e uma coluna mensal na revista feminina Atrevida. "O público-alvo, formado por adolescentes, só interage com algo se houver o efeito comunidade", diz Ochoa.

Na prática, mais que a adaptação do formato novela para a tela pequena, há por trás uma mudança de foco no que diz respeito a conteúdo para celulares. É olhar os aparelhos como suporte, como a mídia portátil final, caminho diferente do seguido até agora, no qual os equipamentos são vistos como ferramentas de produção por usuários amadores.

Desse jeito vai ficar difícil para o controle remoto, apesar de ele ter uma carta importante na manga. A TV digital estréia no Brasil no dia 2 de dezembro e tem como um dos trunfos oferecer conteúdo para... celular. Sim, a palavra é convergência. As informações são do O Estado de S. Paulo/Link

Mamãe não deixa ver!!!

Jolie diz que não vai deixar os filhos verem seu novo filme:
A atriz Angelina Jolie, 32 anos, afirmou à revista People que não vai deixar seus filhos assistirem a seu novo filme, Beowulf, no qual aparece em cenas sensuais. "Acho que é demais para eles. Não acho que as crianças devam ver sua mãe daquele jeito. Eu não visto aquele tipo de camisola em casa" afirmou a atriz, que aparece em algumas cenas nua, porem retocada no computador, como cena de uma animação. "Eu tenho garotos em casa, você não pode fazer aquilo como uma mãe", disse Angelina. "Porém, quando eles forem mais velhos, eles vejam. Mas que é esquisito, é. Eu sou a mãe deles", concluiu a atriz, que é mãe de Maddox, 6, Zahara, 2, Pax, 3 e Shiloh, 1, sua filha biológia com o ator Brad Pitt. Em Beowulf, Angelina Jolie vive a mãe do guerreiro que batiza o filme, com o qual vive uma relação de sedução e ameaça. (Fonte: Terra)
Mais:
» Jolie diz que ficou com vergonha de atuar nua e grávida em filme
» Assista ao trailer

Celular de última geração

Modelos exibem o último lançamento de celular da gigante japonesa Matsushita: 'P905i'. Equipado com tela de VGA LCD de 3', e, câmera CMOS de 5,1 megapixel que poderá exibir transmissões digitais de vários ângulos. Matsushita irá lançá-lo no final do mês.

Camiseta "energética"

No futuro, camiseta poderá gerar energia:

Por: Mylène Neno

Uma equipe de cientistas da da Organização da Comunidade Científica e de Pesquisa da Austrália (CSIRO) está desenvolvendo uma camiseta geradora de energia produzida a partir da movimentação do usuário, que eles acreditam que chegue ao mercado em cinco anos. "As pessoas nunca mais terão de se preocupar com seus celulares ou MP3 player falhando devido à bateria fraca", disse o líder do projeto da CSIRO, Dr Adam Best, ao site do Sydney Morning Herald, sobre o chamado Dispositivo de Energia Integrada Flexível (FIED, na sigla em inglês). Ainda segundo o artigo, o esforço dos cientistas ganhou um incentivo de cerca de US$ 4,6 milhões do Departamento de Defesa da Austrália, para mostrar que a tecnologia é viável. De acordo com a CSIRO, a tecnologia está sendo desenvolvida para ser incorporada a um fragmento de roupa e incluirá três componentes: um avançado tecido condutor como parte da bateria, um aparelho para coletar a energia vibratória e um sistema retificador de gerenciamento de energia para carregar equipamentos eletrônicos de soldados. Além de prover energia para equipamentos de guerra, a camiseta também poderá ser usada por idosos, como sistema de monitoramento, acrescentou o site Engadget, alertando que os cientistas ainda têm que superar os desafios de resistência do tecido à máquina de lavar, por exemplo. (Fonte: Yahoo Notícias)

Computadores de vestir

Philips registra patente de tecido de circuito impresso:
Por: Rodrigo Martin de Macedo
A fabricante Philips registrou uma nova patente visando à melhoria na integração de componentes eletrônicos na manufatura de roupas, a chamada "wearable computing", ou seja, computadores que podem ser vestidos. Segundo o site NewScientist, a indústria têxtil atualmente é capaz de produzir vestimentas que são bons condutores elétricos e tão flexíveis como tecidos tradicionais, permitindo que características biométricas sejam inseridas em roupas, com aplicações importantes para as áreas médicas e esportivas. Todavia, a aplicação atual dos sensores a estes tecidos é difícil, já que os panos utilizados precisam ser extremamente duráveis e também pelo fato das tramas serem fabricadas em larga escala e depois cortadas, o que muitas vezes impede que todos os componentes essenciais estejam disponíveis no recorte e limita a escolha dos sensores que podem ser utilizados. De acordo com a patente, a Philips acredita que criando um tecido que age como uma placa flexível de circuito impresso, em que qualquer variedade de sensores pode ser anexada. Para o problema visto no corte, a sugestão seria tecer em um híbrido de fibras condutoras e não condutoras, sendo que fios condutores proveriam não apenas energia, como também comunicação entre diferentes sensores. Interessados podem ler a patente na íntegra e em sua forma original (em inglês) pelo atalho tinyurl.com/yuwz2m

Internautas

Brasil supera a marca de 20 milhões de internautas residenciais:
Em setembro deste ano, 20,1 milhões de brasileiros acessaram a internet em casa, o que significa um crescimento de 47% em um ano, revela o relatório mensal do Ibope/NetRatings, divulgado no dia 31/10. Considerando residências, trabalho e locais públicos, o número total de pessoas com acesso à internet no Brasil já é de 36,9 milhões.Os brasileiros continuam na liderança em tempo de uso da internet residencial, com 22 horas mensais por pessoa. O tempo de acesso aumentou duas horas em relação a setembro de 2006.Em segundo lugar entre os países avaliados pela Nielsen/NetRatings estão os norte-americanos, que ficaram conectados, em média, 18 horas e 54 minutos no mês. Em terceiro vêm os japoneses, que se conectaram por 18 horas e 21 minutos em setembro.As crianças e os adolescentes, na avaliação do Ibope/NetRatings, são as faixas etárias que mais têm contribuído para a expansão da internet residencial, no Brasil, com expansão anual de 53%, bem como os homens com mais de 45 anos, que tiveram crescimento de 50%.Em intensidade de uso, vêm se destacando as mulheres de 18 a 24 anos, que no período de um ano aumentaram em 25% a quantidade de páginas vistas.A categoria “Buscadores, Portais e Comunidades” se mantém na primeira posição em tempo de navegação por usuário. "Devido ao maior interesse por redes sociais e por blogs, o tempo on-line mensal do usuário de “Comunidades” passou de 3h39min em setembro de 2006 para 4h40min em setembro de 2007, o que significa uma evolução de 29%", destaca o relatório.Entre setembro de 2006 e setembro de 2007, as três categorias de maior crescimento percentual foram “Casa e Moda”, com 73% de evolução da audiência, “Viagens e Turismo”, com 67%, e “Automotivo”, com 57%.

Postagens Populares: