ESTUDE A PALAVRA DE DEUS AGORA!

ESTUDE A PALAVRA DE DEUS AGORA!
Cursos e Estudos Bíblicos Gratuítos

Ouça Temas Bíblicos Agora:

Pesquisa relaciona Twitter com conforto emocional

Tuitar mexe com você? Segundo um experimento realizada nos Estados Unidos, na Universidade de Claremont, pelo pesquisador Paul Zak, o nível de ocitocina (hormônio do sentimento de segurança e conforto) de umas tuitadas é o mesmo de um noivo no dia do casamento. ….. Quem se prestou ao teste foi um colega de Zak, Adam Penenberg, que utiliza os serviços do microblog. Segundo o site Mashable, os resultados do teste mostraram que os níveis de ocitocina de Penenberg subiram até 13,2%. – Isto é equivalente ao pico hormonal de um noivo em seu casamento – diz Zak. ….. Durante a observação, os hormônios de Penenberg também indicavam que o rapaz estava menos estressado ao tuitar. Para o autor do estudo foi o suficiente para afirmar que o cérebro do amigo entendeu o ato de tuitar como a interação direta com uma pessoa que se gosta ou por quem se tem empatia. É importante ressaltar que os testes realizados com apenas um indivíduo não têm nenhuma significância estatística para que se possa propor um padrão comportamental. E outra, o cara podia, de fato, estar tuitando para a noiva. ….. Piadinhas de lado, os resultados dão margem a novas pesquisas na área, que podem vir a explicar cientificamente os motivos da felicidade que muitas pessoas sentem nas mídias sociais.[Fonte: ClicRBS]

"UMA CILADA PARA ROGER RABBIT", ou, "UMA CILADA PARA AS CRIANÇAS"?

MENSAGEM SUBLIMANAR COM APELO ERÓTICO
MENSAGEM SUBLIMINAR COM PORNOGRAFIA
Aqui, pode-se ver um grande apelo ao sensualismo. Existe uma personagem do sexo feminino, que possui contornos muito chamativos, usando um vestido muito decotado. Em certo momento, esta personagem cai de um caminhão em movimento. Neste momento, seu vestido sobe e deixa a mostra seu corpo, e mostra também que ela não estava usando roupas íntimas. Este fato foi muito comentado à época do lançamento deste desenho, fazendo com que a Disney reeditasse este desenho, retirando as partes onde surgem estas imagens. Mais uma vez podemos ver que os desenhos Disney exageram nas curvas acentuadas das personagens femininas, despertando precocemente nas crianças o interesse pela sensualidade. [Fonte: Estudos Subliminares]

INFÂNCIA EXPOSTA: Erotização precoce e pública

Durante três minutos, um menino de cerca de dois anos dança só de fraldas em cima de uma mesa. Feliz, rebola e faz movimentos ritmados imitando o ato sexual. Ao som da banda baiana Kuduro, exibe uma coreografia altamente erotizada à qual provavelmente assistiu repetidas vezes, até aprender. Os que presenciam a cena, orgulhosos, registram cada movimento com seus telefones celulares e filmadoras (ver aqui).

Poderia ser apenas mais um vídeo caseiro de mau gosto postado no mundo-cão da internet. Mas a situação tem um agravante. Um blog – dedicado a divulgar fatos bizarros, é claro – hospedado no site de um dos mais respeitados jornais do país não só recomenda o vídeo como também disponibiliza o link para quem quiser assistir. E diz: "É a prova viva que brasileiro nasceu dançando...Vale a pena conferir!"

Danos duradouros:

Neste caso, de quem é a responsabilidade sobre a exposição indevida do menino? Da família que, no auge da euforia, não percebe os riscos da brincadeira? Se nem avalia uma possível queda, poderia estimar o potencial explosivo do vídeo nas mãos dos milhares dos pedófilos sempre de plantão na rede? Das autoras do blog? Podem ser culpadas por divulgar a dança inusitada? Do jornal que abriga o blog? Da sociedade que se diverte? Ou do Estado que se omite?

A questão da responsabilidade pelo conteúdo na internet é nebulosa, mas o Estatuto da Criança e o Adolescente é claro: "É dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente".

A fama do menino termina em 15 minutos. Já a erotização precoce e pública deixa marcas profundas. [Fonte: Observatório da Imprensa]

De Vilão a Aliado

Pesquisa absolve celular na escola:

Estudo internacional aponta que o aparelho ajuda na aprendizagem:

Condenado pelos incômodos gerados no ambiente escolar, o telefone celular está prestes a se transformar em um aliado no processo de aprendizagem, segundo um estudo de um grupo de pesquisadores internacionais. O relatório Horizon 2010, que identifica tecnologias que podem ter impacto na educação nos próximos anos, aponta o celular como uma das ferramentas pedagógicas do futuro. Resultado da troca de informações entre especialistas de mais de 300 universidades ao redor do mundo, o estudo coordenado pelas organizações New Media Consortium e Educause bate de frente com a visão de professores país afora, que culpam o celular pela distração dos estudantes. Pelo estudo, o celular pode ser útil para pesquisas durante a aula, para gravar trechos de explicações do professor e até para compartilhar com a turma, por meio de redes sociais como o Twitter e blogs, dados de saídas a campo. Única brasileira a participar da edição mais recente do relatório internacional, Cristiana Assumpção defende que educadores brasileiros repensem a postura quanto ao uso da comunicação móvel na escola. – O celular é uma ferramenta que está na mão de todos, não importa a classe social. Não se pode tapar uma coisa que está vindo como um rolo compressor. Com a proibição, os alunos logo encontram uma forma de contornar isso, fazendo às escondidas. O pensamento deveria ser: já que estão usando, como podemos fazer para usar melhor? – afirma a especialista em tecnologia da educação, coordenadora dessa área no Colégio Bandeirantes, de São Paulo (SP). Em Santa Catarina, o uso de celular em sala de aula é proibido pela lei 14.363, de janeiro de 2008, em escolas públicas e instituições privadas. Mas, para o diretor de educação básica e profissional da Secretaria de Estado da Educação, Antônio Elízio Pazeto, todas as tecnologias que agreguem conteúdos são válidas na hora de ensinar. – Quanto mais tecnologia, melhor. Desde que usada devidamente e em consenso com o professor – afirma. Segundo Pazeto, é possível admitir que o telefone celular contribua para a aprendizagem quando usado para fazer pesquisas. Mas ele percebe que os alunos têm o hábito de usar o aparelho apenas para fazer ligações e mandar torpedos. [Fonte: Jornal DC]

“O segredo não é banir o celular”

ENTREVISTA: Larry Johnson, diretor executivo do New Media Consortium

Diretor executivo do New Media Consortium e um dos coordenadores do estudo, o norte-americano Larry Johnson defende que professores precisam adaptar o uso dos celulares na escola. Ele concedeu entrevista por e-mail. Diário Catarinense – Como os celulares podem ser úteis nas salas de aula? Larry Johnson – Os celulares, mesmo os mais simples e baratos, são pequenos dispositivos de captura multimídia essenciais. Fotografam, filmam, enviam mensagens e, obviamente, permitem ligações. São uma maneira fácil de criar um blog que possa receber entradas de telefones (textos, torpedos, vídeos e áudios). Então, um computador localizado em qualquer lugar pode expor aquela informação produzida para o mundo. DC – Os professores costumam ter problemas com os celulares, pois os alunos perdem a concentração. O que o senhor diz sobre isso? Johnson – Esse tipo de preocupação é baseada na questão de que os telefones podem ser usados para diversas atividades – e crianças deixadas à vontade se dispersam algumas vezes. O segredo não é banir o celular, mas usá-lo. As escolas devem procurar maneiras de usar os celulares e buscar compreender como transformá-los em ferramentas à aula. DC – Como os professores podem fazer o uso educacional dos telefones celulares? Johnson – Os professores precisam reconhecer que os estudantes usam seus telefones como forma de aprendizagem o tempo todo – apenas não para os tipos de aprendizagem que os professores ordenam. [Fonte: DC]

TV 3D na França aposta em esporte e sexo

As empresas francesas estão apostando em esportes e pornografia para atrair telespectadores à compra de televisores 3D, mas a adoção em massa da nova tecnologia só surgirá quando esta se tornar mais confortável e os preços caírem, dizem especialistas.

Os televisores 3D fabricados pela Panasonic, Sony e Samsung chegaram ao mercado francês em maio, e mesmo que o volume de vendas tenha permanecido baixo, as fabricantes apostam em uma rápida decolagem.

"Os telespectadores estendiam os braços para apanhar as balas nos comerciais em 3D da Haribo exibidos em cinemas. E quando seios saltam da tela, é a mesma coisa - as pessoas estendem as mãos para tocá-los," disse Philippe Gerard, co-fundador da 3Dlized, que está trabalhando com Marc Dorcel, produtor de conteúdo adulto, em novas produções tridimensionais.

Desde que o altamente lucrativo Avatar, de James Cameron, abriu as portas para a tecnologia 3D em cinemas, produtores e redes de TV vêm expressando entusiasmo em aproveitar os efeitos especiais e as novas sensações que a tecnologia torna possíveis.

Especialistas consideram que futebol, boxe e rúgbi, bem como outras formas de entretenimento, a exemplo de ópera, balé e shows eróticos, devem liderar a campanha de atração. Outros tipos de imagens, como as exibidas em telejornais, são vistas como inapropriadas à nova mídia.

"Ao contrário da televisão HD, a 3D não significa uma transformação da TV em curto prazo. Não vamos dizer aos franceses que, se não comprarem um televisor 3D amanhã, não terão televisão para assistir," disse Gilles Maugars, diretor assistente de tecnologias da rede de TV TF1, à Reuters.

O grupo de pesquisa de mercado Gfk considera que as vendas na França devam chegar a 200 mil unidades até o final do ano, e estima que apenas em maio as vendas atinjam mil unidades. As fabricantes demonstram mais otimismo, e planejam vender meio milhão de televisores 3D este ano.

A Gfk estima que as vendas gerais de televisores crescerão em 18% este ano na França, para 8,7 milhões de unidades. Os preços dos televisores 3D começam em 1,3 mil euros (US$ 1,6 mil), e mais US$ 100 pelo par de óculos especiais, que todos os espectadores precisam usar.[Fonte: Terra]

Microsoft lança videogame sem controle remoto

Demonstração do Project Natal, renomeado Kinect, em Los Angeles

A Microsoft lançou na noite deste domingo, durante uma reunião privada em Los Angeles, seu videogame sem controle remoto, o "Kinect".

Trinta e seis horas antes da abertura do salão de videogames Eletronic Entertainment Expo (E3), analistas e a imprensa especializada puderam descobrir como os sensores de movimento do "Kinect" permitem que o jogador controle o console Xbox 360 apenas com gestos naturais.

Uma câmera em 3D permite ao jogador conduzir um carro apenas com as mãos, como se estivesse segurando um volante imaginário. Nos jogos de artes marciais ou de esportes, basta fazer alguns movimentos para que o personagem na tela se ative.

Um grupo do Cirque du Soleil foi convidado para a festa de lançamento para ilustrar todas as possibilidades do sistema: ginastas corriam no meio do público, saltavam, se contorciam e davam voltas demonstrando os jogos do "Kinect".

Os detalhes técnicos e de marketing, como preço, por exemplo, dos jogos "Kinect" serão estabelecidos durante uma coletiva de imprensa nesta segunda-feira.

Os concorrentes Sony e Nintendo também vão apresentar seus novos sistemas de controle para seus consoles Playstation e Wii, assim como novo jogos, no salão de jogos eletrônicos que começa, oficialmente, na terça-feira. [Fonte: AFP]

Google deixa pessoas mais inteligentes, diz Don Tapscott

Em palestra no Brasil, guru da economia digital, autor do conceito do Wikinomics, explica como a "Geração Net" está mudando o mundo

Tapscott: "Cérebro da geração nascida na era digital trabalha em 'multitarefa'"
O empresário canadense Don Tapscott, escritor e consultor especializado em estratégias de negócios, é otimista em relação ao impacto das novas tecnologias. Em palestra realizada hoje em São Paulo, ele definiu a chamada Geração Y (jovens nascidos a partir de 1980 e cresceram em meio a era digital) como a mais inteligente, mais capaz e responsável por uma revolução na economia e no comportamento global. E contestou a ideia defendida pelo americano Nicholas Carr, um dos pensadores mais influentes do mundo na área de negócios e tecnologia da informação, de que o Google estaria deixando as pessoas "mais burras".
Tapscott discursou nesta tarde na 20ª edição do Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras (Ciab), promovida pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Carr também fará palestra no mesmo evento, só que nesta quinta-feira (10), de modo que os dois acabaram não se encontrando. "O que os jovens buscam no Google são fatos, datas, nomes. Mas a internet fez com que essa geração pense de forma diferente, em 'multitarefa'", defende Tapscott.

Muita coisa está mudando no mundo com a chegada da Geração Y - que o canadense prefere chamar de Geração Net - ao mercado de trabalho. "Pela primeira vez na história, crianças e adolescentes passaram a ser consideradas autoridade em algum assunto, a saber mais do que os professores, do que os pais", diz. Ele citou diversos exemplos de jovens que conheceu há alguns anos para ilustrar sua tese, como uma menina que não lê jornal porque "só é atualizado uma vez por dia", uma adolescente que considera o e-mail ultrapassado diante de mensageiros instantâneos e redes sociais, e um garoto que dá aulas sobre internet e computadores para seus professores. "Certa vez fui fazer uma palestra em uma reunião da Felaban [Federação Latino Americana de Bancos], em Bogotá, e apresentação deu problemas. Pedi para falar com o responsável pela tecnologia do local e, em meio a um monte de equipamentos de ponta, estava um menino de 13 anos", contou o palestrante para abrir sua sessão. [Portal Exame]




PlayStation 3 recebe os primeiros games em 3D

'Killzone 3' rodará em 3D no PS3. (Foto: Divulgação)

A Sony anunciou nesta quarta-feira (9) que os primeiros jogos em 3D para o PlayStation 3 chegam na quinta-feira (10). Os primeiros títulos compatíveis com a tecnologia são “Wipeout HD”, “Super stardust HD”, “Pain” e uma versão de testes de “Motorstorm 2”. Todos serão gratuitos para os compradores de um televisor Bravia, da própria Sony, nos EUA.

O diretor de marketing do PlayStation, John Koller, afirma em nota que todos os consoles PlayStation 3 já estão aptos a rodar jogos em 3D estereoscópicos. “Lançamos a tecnologia em uma atualização de sistema no final de abril”, disse. “Por isso, o PlayStation 3 é o único console no mercado capaz de rodar jogos em 3D, diretamente da sua sala de estar e sem custo adicional”.

Os compradores dos televisores da marca Bravia receberão um voucher para baixar os games “Wipeout HD”, “Super stardust HD”, “Pain” e “Motorstorm 2” gratuitamente. Não ficou claro se os games citados receberão uma atualização para rodar em 3D ou se eles terão uma versão nova para download, nem se os jogadores que já possuem os games terão que comprá-los novamente para usufruir das imagens em 3D.

O título “The fight: lights out”, que usará o controle sensível a movimentos PlayStation Move, apresentado na Game Developers Conference (GDC), realizada em março passado em San Francisco, nos EUA, será compatível com a tecnologia de 3D estereoscópico. Outro título que também rodará em 3D é “Killzone 3”, que desde o início da produção está sendo desenvolvido para usar a tecnologia. [Fonte: G1]